Homicídios de LGBTs dobram em um ano na Bahia, diz Ipea
6 de junho de 2019
silva_cantor-4882031
Banda Cortejo Afro recebe Silva como convidado na festa Venha Beijar no Pelourinho
7 de junho de 2019

‘Criminalizar a homofobia é só o começo’, diz cantor Silva que fará show domingo em Salvador

Por Giuliana Mancini*

Arrancar um elogio do cantor Silva sobre Salvador é uma tarefa fácil. Natural de Vitória, no Espírito Santo, ele adora falar do amor que tem pela capital baiana, definida como sendo seu lugar ‘do seu coração’ e um dos que mais gosta de se apresentar.

“Não sei explicar exatamente da onde vem essa conexão que tenho com a cidade, mas posso ver que muita gente vem me acompanhando desde o começo da minha carreira. Isso é um presente e espero que essa relação dure por muitos anos”, derrete-se.

(Foto: Breno Galtier/Divulgação)

Neste domingo (9), matará as saudades. O cantor sobe ao palco da Sala Principal do Teatro Castro Alves para comandar o espetáculo Silva canta Marisa, em homenagem à cantora Marisa Monte. Mas nem adianta procurar ingressos: estão esgotados.

“Fiquei muito feliz, mesmo! Isso mostra que as cobranças eram reais. Recebi muitos e muitos pedidos de fãs de Salvador para que eu fizesse esse show na cidade. Agora finalmente vai acontecer e no TCA, que é um dos teatros que mais amo”, comemora.

Quem não conseguiu sua entrada para a apresentação – ou mesmo quem quer ver o artista mais vezes – não precisa ficar triste. Na próxima quarta-feira (12), será o convidado do Cortejo Afro na festa Venha Beijar no Pelourinho. O evento, no clima do Dia dos Namorados, acontece a partir das 21h, no Largo Tereza Batista, e tem ingressos, em primeiro lote, por R$ 20 (meia) e R$ 40 (inteira), vendidos nas lojas South e no site Safeticket.

Depois, Silva será uma das atrações do projeto Bud Basement, no Trapiche Barnabé (Comércio), onde tocará no dia 2 de julho, a partir das 16h. A entrada, em lote promocional, custa R$ 35 na plataforma Sympla. E ele promete que não parará por aí.

(Foto: Breno Galtier/Divulgação)

Para Marisa
O espetáculo deste fim de semana não é exatamente novo: a turnê começou em dezembro de 2016. Mas, na época, o artista não conseguiu trazê-la a Salvador.

De lá para cá, lançou outro projeto, Brasileiro, que consolidou ainda mais sua carreira. “As possibilidades de levar meu espetáculo para outras cidades aumentaram. Por isso resolvi passar com o ‘Canta Marisa’ pelos lugares que, infelizmente, não pude ir durante a turnê. Esse show continua sendo muito requisitado”, afirma.

(Foto: Breno Galtier/Divulgação)

Segundo o artista, não há grandes mudanças, ‘apenas detalhes’. E também não foram incluídas muitas músicas autorais de Silva no repertório.

“É um momento que curto ser intérprete e descanso meu trabalho de compositor. Mesmo assim eu encaro as versões como se fossem composições minhas, gosto de colocar minha cara e meu jeito em todas elas. ‘Feliz e Ponto’ é a única música minha que entra no show, além de ‘Noturna’, que compus com Marisa e meu irmão Lucas”, adianta.

A proximidade com a homenageada, aliás, veio graças ao trabalho – para a felicidade de Silva. “Quando comecei esse projeto eu era um grande fã (continuo sendo, talvez até mais agora) e não tinha contato algum com Marisa. Hoje, posso dizer que me tornei um amigo dela. Isso foi um presente pra mim, poder conhecer um ídolo de pertinho e agora poder compartilhar ideias, compor junto e manter contato. Me considero um cara de sorte.

(Foto: Miguel Vassy/Divulgação)

Após essa série de apresentações do espetáculo, ele garante que não haverá repeteco. “Vão ser mesmo só esses, depois vou parar”.

Engajado nas causas LGBTQIA+?, Silva comentou também sobre a recente aprovação por parte do Supremo Tribunal Federal da criminalização da homofobia. “Acredito que num país violento como o nosso e que segundo as estatísticas é o país que mais mata LGBTQI+’s no mundo, criminalizar a homofobia é apenas o começo, um grande começo por sinal. Ouvir uma frase como “a dor é urgente” vindo do STF é como poesia no meio de tanta notícia ruim e desesperança. Hoje a gente vê que não podemos contar com o bom senso e o respeito de uma boa parcela da população. Então, tem que criminalizar sim! E esperar que isso ajude a desencadear um processo de humanização da mente de muitos brasileiros e brasileiras. Enquanto isso, seguimos atentos e fortes”, destacou o capixaba.

Serviço
O quê: Show Silva Canta Marisa.
Onde: Teatro Castro Alves (Campo Grande | 4000-1139).
Quando: Domingo (9), às 20h
Ingresso: R$ 140 | R$ 70 (A a W), R$ 110 | R$ 55 (X a Z6) e R$ 80 | R$ 40 (Z7 a Z11).
Vendas: TCA, SAC dos shoppings Barra e Bela Vista e site Ingresso Rápido (Ingressos esgotados).
Clube Correio: 40% de desconto.

*Colaborou Marília Moreira

Jorge Gauthier
Jorge Gauthier
Jornalista, adora Beyoncé e não abre mão de uma boa fechação! mesalte@redebahahia.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *