Um réveillon diferente

Um réveillon diferente

csm_pjimage__2__2815317f1f

Pela primeira vez em minha vida, passei o réveillon sem estar realmente de férias. Ainda que há um ano atrás eu estivesse no meio de meu semestre (que começou em outubro e acabou em fevereiro), tive meus 15 dias de folga neste período de festas. Isso é mais doido ainda se pensar que há dois anos, eu estava contemplando minhas férias de seis meses, entre fim da escola e início de faculdade.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Dessa vez, tive minha semana de folga no natal e a oportunidade de estar na editoria de cultura durante o plantão de réveillon. Não estive de fato na virada, mas trabalhei durante a manhã do dia 31 e a tarde do dia 1. Na verdade é interessante falar sobre o plantão de forma geral. Plantão esse que logo no seu primeiro dia virou a redação de cabeça para baixo com a morte de Mãe Stella. É muito curioso a forma que todo mundo fica doido quando acontece algo que muda o jornal inteiro. Já eram quase 17h quando soubemos da notícia, e o jornal teve que ser reformulado para cobrir a morte da mãe de santo. Era notável o burburinho e a preocupação de todos em fazer os textos logo, para cobrir uma notícia dessa dimensão. Em cultura, acabamos sem ser muito afetados por isso, sem precisar mudar alguma pauta pela mudança geral no jornal.

Falando agora mais sobre a minha editoria, passamos o tempo todo na redação. Foi um trabalho mais de garimpar informações de outros portais, ou pensar em pautas de retrospectiva. Sem entrevistas, sem ação em campo, a atividade passou longe de ser monótona, ainda mais por ter recebido a pauta mais divertida possível: fazer a seleção dos melhores memes do ano.

Vocês não têm ideia do quanto eu me diverti fazendo essa matéria. Relembrar cada meme que a gente deu risada durante o ano, ver como a gente gosta de rir da própria miséria e principalmente, como o povo brasileiro é criativo, foi uma bela forma de terminar o ano. Fiquei quieto no meu computador aqui na redação me acabando de rir de memes que eu ri durante o ano ou que eu descobri pesquisando pela internet. Para quem quiser ler, deixo o link aqui, e espero que se divirtam tanto quanto eu.

Claro que a gente lamenta o fato de não poder viajar com os amigos ou estar mais livre para ir à praia, mas é aquele tipo de coisa que a gente sabe que vale a pena no fim das contas.