Redação – O Retorno

Redação – O Retorno

O desafio de escrever sobre economia

O desafio de escrever sobre economia

O primeiro dia útil de dezembro foi o início da nossa imersão na redação do CORREIO. Data bastante significante para mim. Sentar em frente ao computador, receber a pauta do editor e correr atrás para fechar a matéria. Fazia tempo que não sabia o que era isso. Nos tempos de estágio no jornal MASSA!, essa era a minha rotina e adorava. Porém o tempo passou, me afastei do jornalismo e pensei em desistir. Mas estou de volta. Sinto como se o destino estivesse me dando uma nova chance, da qual vou fazer valer a pena cada instante.
A minha experiência deste primeiro dia foi na Editoria de Economia. É um assunto que gosto, mas que assusta um pouco. Ainda não acho que tenho expertise o suficiente para me dar bem tentando traduzir números, taxas, estatísticas. Admito também que a minha primeira impressão do editor Flávio Oliveira não foi das melhores. O achei um pouco sério demais, às vezes até sisudo durante sua palestra. Mas, bastaram alguns minutos, para que as primeiras impressões sobre a editoria e o editor desaparecessem. Ele se mostrou um cara uma pessoa super tranquila e a pauta sobre um tal Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) que parecia um bicho de sete cabeças, não era tão complicada assim. O ISE é uma lista das 30 empresas que mais se destacaram em ações de desenvolvimento sustentável no ano, de acordo com a bolsa de valores brasileira, a B3.
O que atrapalhou parcialmente foi a assessoria de imprensa da empresa idealizadora do tal índice, que não atendeu aos telefonemas e tive que pesquisar o máximo que pude na internet, onde tinha bastante informação, mas ainda faltavam alguns dados. Insisti nas ligações, até que finalmente consegui falar com alguém, que me pediu pra falar com outro alguém. Só que esse alguém estava ocupado e tive que falar com alguém que não era o alguém que eu queria falar. Esse alguém pediu que eu mandasse um e-mail com as minhas dúvidas, que foram serão respondidas na manhã seguinte.
Gigantes do mercado investem em sustentabilidade

Empresas investem em sustentabilidade

Mesmo com uma certa frustração de não ter entregue a matéria, pude ter uma boa ideia do que se tratava o assunto e me senti capaz de seguir adiante. Serviu para elevar a autoestima. Enquanto tentava apurar a minha matéria, a redação enchia. O lugar vazio no início da tarde aos poucos ia se transformando com a chegada dos repórteres, fotógrafos e editores. De repente, a calmaria deu lugar ao falatório. Mas nada que incomodasse. Era um barulho reconfortante, fácil de se reacostumar.

Pelo relato dos outros futuros, o dia rendeu. Para alguns foi o primeiro contato à vera com uma redação e, pela descrição das experiências, todos curtiram bastante. Temos de fato que nos sentir privilegiados por participar desse programa. Sem dúvida nossa visão sobre o que é ser jornalista será ampliada e com certeza não seremos os mesmos daqui há três meses. Vamos aproveitar galera!