Eles por Ela_crédito Rose Nascimento
Fotógrafa faz exposições de imagens que reflete sobre os corpos
28 de novembro de 2017
Foto: Divulgação
Justiça condena Claudia Leitte a reconhecer vínculo com ex-guitarrista
28 de novembro de 2017

Precisamos falar sobre futebol: por que uma ‘dedada’ assusta tanto os heteros?

dedadax

Desde o último domingo não se fala em outra coisa nos noticiários esportivos a não ser as dedadas que o zagueiro Rodrigo, da Ponte Preta, deu no atacante Tréllez, do Vitória, durante o triunfo do Leão sobre o time paulista. O lance ocorreu aos 19 minutos do primeiro tempo, quando a Ponte Preta vencia o jogo por 2×0. Rodrigo foi expulso após “introduzir duas vezes seu dedo médio entre as nádegas” do jogador do Vitória”.

Além da atitude considerada antidesportiva o que mais me chamou a atenção é o medo que, especialmente os heteros, estão tendo em abordar o assunto. Eu já vi notícias relacionadas a agressões em estádios por jogadores – cabeçadas de Zidane, mordidas de Tevez, etc – mas nenhuma veio acompanhada de tanto medo de fala.

Aos meus ouvidos os comentários chegaram sempre acompanhados de um ‘lá ele’. No rádio ouvi um cronista esportivo dizer que ‘Rodrigo fez aquilo que os viados fazem’. Ora, nobre cronista. Acho que tu anda um pouco desinformado. Não vejo gays dando dedada no colega de trabalho assim…

O que acho interessante é que muitos sequer conseguem falar a palavra bunda. A heterossexualidade é tão frágil em alguns que sequer eles conseguem dizer que o jogador botou o dedo na bunda do outro. Gente, falar BUNDA não dói! Pelo que vi do vídeo até o Tréllez, que recebeu as dedadas, não deve ter sentido dor. Melhor do que isso: depois da dedada Tréllez fez foi dois gols que garantiram o triunfo do Vitória.

Falar não vai fazer você ser menos hetero ou, como outro ser (sem) luz disse: ‘botar o dedo no lá ele não pode senão pode gostar’. Criatura, não tenha medo da sua sexualidade. Apenas viva sua vida.

E ainda tem um molho nessa história: o time de Rodrigo acabou sendo rebaixado pela derrota. E de quem é a culpa? Do dedo de Rodrigo – pelo menos foi assim que os torcedores e muitos jornalistas esportivos disseram. Um jornal até colocou a frase ‘O dedo colocou a Ponte no buraco’.

Ora, pelo que vi da tabela do Campeonato Brasileiro a Ponte Preta perdeu, além do jogo para o Vitória, outras 17 partidas. Em nenhuma delas teve dedo na bunda. Ou seja, a culpa não é do dedo.

Reflexos de falas como essas corroboram com o machismo no futebol. A necessidade masculina de colocar o futebol como algo apenas hetero é irritante e desnecessária.

Os gritos de ‘juiz viado’, que ‘viadagem é essa’….(coloque aqui tudo que você já ouviu na vida) …. são tão opressivos que afugentam muitos gays do esporte.

O futebol é um dos campos onde o preconceito sexual está mais enraizado culturalmente no nosso país. Acham que viado não joga bem futebol. Ledo engano. Eu mesmo quando era criança era artilheiro do time infantil da escola. Sim, ganhei até campeonato. Mas, migrei para o baleado pois achava mais divertido (isso é assunto para outro post).

Para quebrar essa lógica machista e preconceituosa, aconteceu no Rio de Janeiro, em novembro, a 1ª edição do campeonato brasileiro de futebol gay: a Champions LiGay.

O campeonato teve oito times gays de seis cidades do país, todos militantes da inclusão LGBT no futebol. Participaram as equipes BeesCats e Alligaytors (Rio de Janeiro), Futeboys e Unicorns (São Paulo), Bharbixas (Belo Horizonte), Bravus (Brasília), Magia (Porto Alegre) e Sereyos (Florianópolis).

Os Bharbixas ganharam. E, ao contrário do que você possa imaginar, não teve nenhuma dedada em campo registrada na súmula. Parece que isso é coisa de hetero, hein!

Edit = Um detalhe: esse texto não é sobre o ato da dedada e sim sobre a forma com ele foi noticiado. Obviamente, não concordamos com nenhuma violência!

Jorge Gauthier
Jorge Gauthier
Jornalista, adora Beyoncé e não abre mão de uma boa fechação! mesalte@redebahahia.com.br

40 Comentários

  1. Raimundo disse:

    QUE MATÉRIA FULERA, E DE QUEM NÃO ENTENDE NADA DE FUTEBOL, ETICAMENTE FALANDO, USAM A PALAVRA NÁDEGAS, EM VEZ DE BUNDA, AGORA TEMOS QUE ACHAR NORMAL A ATITUDE DO RODRIGO PRA NÃO SERMOS MACHISTAS, É MELHOR SER MACHISTA, RIDÍCULO.

    • SER PENSANTE! disse:

      Caro Raimundo,
      Primeiro: Você não sabe interpretar um texto. O texto em questão está bem claro, objetivo, no qual o autor deixa BEM CLARO que não é NORMAL o ato de violência.
      Segundo: ETICAMENTE falando, nádegas e bunda significam a mesma coisa; acredito que você não ande por aí dizendo a palavra “nádegas”; nem mesmo os médicos, hoje em dia, falam esse termo tão formal.
      Terceiro: Não compreendo (e nem quero tal coisa) o porquê de pessoas como você acessarem colunas como esta e ainda parar pra escrever tamanhas “asneiras” (escrevi de uma forma ETICA, pra não dizer “bobagens”, “idiotices”, “merdas”, etc.).
      Boa sorte na vida. Irá precisar.

  2. Andre disse:

    Nada demais. Quando houver um daqueles abusos em metrô ou ônibus, você fala aqui que a vítima levou uma dedada na buceta e fica tudo certo!

  3. Cesar disse:

    Triste estado da Bahia… 6 milhões no bolsa família… Sem expectativa de crescer… Não possue nenhum motivo de orgulho para os seus cidadãos… E o “maior jornal” do Estado publica uma matéria dessas escrita pelo ” jornalista que não abre mão de uma fechação”… Falar o que mais?

  4. Leandro disse:

    Coluna sem pé nem cabeça… Cliquei para conferir o nível de delírio do autor e ninguém é obrigado, muito menos o hétero, a compartilhar das vontades do pseudo jornalista.

  5. TPS disse:

    Texto mais chulo, fútil, vago, sem contexto e nem propósito. Uma pena ver profissionais se desgastarem, perderem seu tempo, com reportagens tão sem pé nem cabeça.

  6. Bono disse:

    EU VOU DEDAR A SUA MÃE AQUELA PIRANHA VELHA

  7. Marcos disse:

    Porque não é no meio do seu cú…. aliás, pelo jeito você adora, então é normal pra vc…

  8. Gordo Bravo disse:

    Então está liberado dar dedada em todo mundo? Posso fazer isso nas mulheres no transporte público?

  9. Raphael Andrade disse:

    Tá de sacanagem? Não é questão da dedada. É a dedada sem o consentimento. É estupro isso! Ninguém no exercício da função quer tomar uma dedada. A pessoa não está ali para isso, está para jogar bola! Meu Deus do céu, que absurdo!

  10. Vinicius disse:

    Jornalista, adora Beyoncé e não abre mão de uma boa fechação!

    Nada mais a declarar!!

  11. Luiz Paulo disse:

    Faz muito tempo que não vejo um desrespeito tão grande a uma vítima de violência. No mínimo essa matéria deveria ser apagada e seu autor colocado na geladeira pra aprender a respeitar os outros.
    São imbecís como esse « jornalistas », que estaria revoltadx se acontecesse a mesma coisa entre um homem cis hétero e uma mulher e gritando « cultura do ódio », que estão acabando com o jornalismo brasileiro.

  12. Bolsonaro 2018 disse:

    você gosta de levar uma dedada sem consentimento seu asno?

  13. José da Silva disse:

    Década é violência, estupro. Apaga que dá tempo…

  14. Francijunior disse:

    Huehuehue Huehuehue….

    Magote de maluco, o jornalismo não merece vocês!

    Vão fazer humor que é melhor

  15. Jorjão disse:

    Masoque?
    esse estagiário ou é louco ou usa ilícitos pelo cu antes de publicar algo, não é possível!!

  16. Gustavo A disse:

    tem problema nenhum não, no dia que sua mãe levar uma dedada na rua você mostra sua coluna pra ela ok? No dia que a intolerancia raivosa voltar por esse tipo imbecil de pensamento que quer empurrar homossexualismo pra todos como se fosse obrigação, vc enfia o dedo no cu e sai voando.

  17. Thiago Ferreira Gonçalves disse:

    Você gosta de dedada no cu ? Gosta né, porque deve ser gay? Então beleza, posso fazer uma visita na casa dos seus pais e dar uma dedada no cu da sua mãe e do seu pai, ambos héteros né por motivos óbvios, e problematizar caso eles não gostem ?

  18. Jean disse:

    Mordida do Tevez ? Só se for na tua Bunda que não deve sentir mais nem um bitrem passar nela. Pena dos baianos terem que ver uma coluna dessa no maior jornal do estado e ainda querer dar pitaco no futebol do BraZil. É o enterro do jornalismo, porque morto já está faz tempo.

  19. Rogell disse:

    LIXO HUMANO

    DUVIDO Q POSTARIAM “PQ UMA APERTADA NAS TETAS ASSUSTA TANTO AS HETEROS”.
    QUANDO É PRA FALAR MERDA SOBRE QUEM VCS NEM SÃO VCS ADORAM.

  20. Mago Antonio disse:

    Certamente é a matéria deste imbecil que teve mais acessos e compartilhamentos! Ei, editor, hora de rever suas métricas antes que o jornal feche!

  21. alan disse:

    Implicação lógica do argumento do asinino: um homem pode dar uma deda na bunda de uma mulher em via pública, ao menos.

  22. alan disse:

    Implicação lógica no raciocínio do asinino: um homem pode dar uma dedada na bunda de uma mulher em via pública, ao menos.

  23. Leca disse:

    QUANDO É HETERO MACHO RECEBENDO DEDADA DE OUTRO MACHO, A REVOLTA É GRANDE NE?
    MAS QUANDO É MULHER, ELA QUE PEDIU.
    TEXTO ENRIQUECEDOR, TA DE PARABÉNS, A HETEROSSEXUALIDADE MASCULINA É MUITO FRÁGIL MESMO, TEMOS QUE LIDAR ATÉ COM AQUELES QUE NÃO CONSEGUEM NEM MESMO LIMPAR A PRÓPRIA BUNDA DE MERDA. FALA SÉRIO NÉ?

  24. AVozQueClamaNoDeserto disse:

    Olha, o jornalismo no Brasil morreu!!

    • Vanessa disse:

      Que lixo de reportagem. Se um “hetero” for “palpitar” em um evento ou show comandados por gays, com certeza será xingado de homofóbico para mais. Agora, você querer minimizar uma atitude desrespeitosa com argumentos como “heteros com medo de sua sexualidade frágil”, “não querem falar bunda”, me poupe! Não salvou uma linha do que você escreveu: não entende de futebol, não entende de respeito, não sabe o que é uma atitude antidesportiva, não sabe o que um capitão de time pode provocar em uma equipe e jogo com uma atitude escrota. Que absurdo! Estamos mesmo vivendo tempos difíceis, viu?

  25. Aquela Verdade disse:

    Precisamos falar sobre ônibus: por que uma ‘passada de mão na bunda’ assusta tanto as mulheres?

  26. Claudia disse:

    Só a existência de uma seita dos pederastas justifica o articulista ter um emprego no jornal.
    Deveria estar na esquina rodando bolsinha.

  27. G disse:

    Quanta asneira em um texto só ! Não falam bunda pois estão em programas de rádio ou TV e não são baixos como você. Antes de escrever essa porcarias procure usar o cérebro. Os torcedores disseram que perderam o jogo por conta da expulsão do agressor que foi motivada pela “dedada”, anta .

  28. Udson disse:

    Me desculpe, mas que post mais bosta, não se trata de sexualidade e sim, de uma dedada no ambiente de trabalho, não é comun sair dedando todo mundo em qualquer lugar

  29. Jose disse:

    Pqp muita merda reunida em um só post….. Não sei que progamas esportivos tu viu mais eles parecem ter feito comentários tão retartados quanto os desse post… Querer que a galera ache uma dedada por trás no meio de um jogo num lance sem bola e phoda vtc

  30. Motherload disse:

    A quem escreveu a matéria: Não é porquê você curte um fio terra, que todos devem achar normal e gostar.

  31. Alex disse:

    Olha a mentalidade desse “jornalista”. Quer dizer que sem mais nem menos você precisa tolerar alguém que você nem mesmo conhece enfiando o dedo no seu ânus por que você é “empoderedis” aiiiii super modeeeerno … afffffffffffffff da a sua bunda no teu quadrado cara!

  32. Charles disse:

    Precisamos falar sobre a canalhice e a relativização desonesta da mídia, por exemplo, o colunista Jorge Gauthier desse Jornal Correio. Abuso é abuso, independente do gênero ou da sexualidade da vítima. Ou vocês acham que não tem nada de errado se uma mulher ou um gay leva um dedada íntima sem autorização? RIP jornalismo.

  33. SER PENSANTE! disse:

    PARABÉNS PELA MATÉRIA.
    EXCELENTE INICIATIVA, EXCELENTE TEXTO (SIMPLES, ORGANIZADO, SENSATO).
    INFELIZMENTE, A IGNORÂNCIA AINDA IMPERA EM NOSSO PAÍS, A PONTO DAS PESSOAS NÃO SABEREM (OU NÃO QUEREREM) COMPREENDER E INTERPRETAR UM SIMPLES TEXTO.
    BOLA PRA FRENTE, AINDA HÁ ESPERANÇA!
    MAIS UMA VEZ, PARABÉNS PELO TEXTO E PELA COLUNA. DE VERDADE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *