Foto: Correio de Futuro

Foto: Correio de Futuro

 

Jornalista político e responsável pela coluna Satélite, do jornal Correio*, Jairo Costa Júnior sugeriu, em conversa com os integrantes do Correio de Futuro, nesta quinta-feira (9), três livros que considera relevantes a futuros profissionais.

Em meio a conjecturas sobre as eleições que decidirão, em 2018, o próximo governador da Bahia, e debates sobre a ética profissional que deve permear a cobertura política, o colunista indicou a tríade “Notícias do Planalto: a imprensa e Fernando Collor” (1999), “Morcegos negros” (2000) e “Chatô, o rei do Brasil” (1994).

Afora as indicações literárias, Jairo também revelou duas personalidades que gostaria de biografar: o ex-deputado federal baiano Fernando Santana e a ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff. “São figuras muito interessantes”, justificou.

Confira sugestões:

Notícias do Planalto – O livro, escrito pelo jornalista Mario Sergio Conti e publicado pela primeira vez em 1999, retrata as estruturas internas e as tramas de poder nas redações brasileiras.

Diz Jairo: “Tem um trabalho sobre a construção da mídia sobre o candidato. É um livro importante para quem quer entender mais sobre o jornalismo”.

Morcegos negros – A obra do jornalista Lucas Figueiredo retoma tópicos como a corrupção e esquemas de desvio de verba. Lançado em 2000, o autor também fala do retorno do ex-presidente Fernando Collor à política, e da morte do então ex-tesoureiro do alagoano, Paulo César Farias, conhecido como PC Farias.

Para o colunista do Correio*, “é um livro muito interessante que fala sobre o contexto da morte de PC Farias. Um personagem emeblemático da época retratada no livro. Ele faz uma boa investigação. É um livro que fala de um momento político importante”.

Chatô, o Rei do Brasil – Na obra, o biógrafo e jornalista Fernando Morais esmiuça a história de Assis Chateaubriand, responsável pela criação, em 1950, da primeira emissora de televisão do Brasil, a TV Tupi.

“É um livro que todos vocês deveriam ler. ‘Chateau’ é maravilhoso e conta, sobretudo, da primeira leva de jornalistas políticos. É muito interessante”, explicou.