O que temos pro almoço hoje??? Dois corpos! :/

O que temos pro almoço hoje??? Dois corpos! :/

Começo meu lead dizendo que: “Dois corpos em estado de decomposição avançados foram encontrados enterrados, na tarde desta quinta-feira (22), num matagal próximo ao cemitério de Paripe, numa região conhecida como Cocisa, subúrbio ferroviário de Salvador. ” (E  lá se foi meu almoço…)

Foi uma experiencia muito incrível, primeiro pela pauta, um caso de duplo homicídio numa região de extrema periculosidade onde havia muita tensão e adrenalina a todo momento. Segundo pelo fato de está ali no ao vivo, de cara-a-cara com as feras, vivendo na pele o que é ser Jornalista. Nossa chegada no local foi tensa porque as pessoas nos viam e corriam, pois elas não queriam falar, temiam represarias, e agora minha gente? O que eu faço se as fontes não querem falar comigo??? (Game over pra mim?)

Tem-recomeço-pra-tudo

Mas espera um pouco! Elas não queriam falar comigo, mas falavam entre elas. Foi então que lembrei de um ditado popular indiano que diz assim: “Se você tem dois ouvidos e uma boca, logo ouça mais e fale menos!” e naquele momento era propicio ouvir. Então me calei e comecei a ouvir as pessoas e elas falavam tudo o que precisava saber para escrever minha matéria…

Logo depois que ouvia as “falas” eu me dirigia até a fonte que acabará de falar e perguntava sobre o que ela disse e todos negaram, desconversaram e quando assumia no final diziam: “Eu te disse o que você queria ouvir, mas se você publicar eu direi que nunca te vi na vida!” (Game over pra mim?!).

Fui para redação pedir socorro a quem sabe mais, descobrir que para tudo tem um jeito, um novo começo.  A matéria foi publicada e tudo deu certo… Mas és que surge as perguntas… Qual é o limite do repórter no momento de uma apuração? (Se é que este limite existe!). O que fazer quando a fonte fala em off e não quer que nada seja publicado?? Publicamos a informação ou nos calamos diante do silencio de quem não quer falar??

Tantas?????????????????? (interrogações), que ao longo da vida jornalisticas terei respostas. Ou não!?