Apesar de 85% dos funcionários LGBT+ se sentirem confortáveis no trabalho, apenas uma pequena parcela dos empregadores adota programas de inclusão exclusivos para esse público. Isso é o que aponta relatório Out to Succeed: Realising the full potential of your LGBT+ talent (em tradução livre: Para progredir: Percebendo todo o potencial do seu talento LGBT+), divulgado pela PwC em parceria com a Out Leadership.

O relatório  mostra uma lacuna entre o que os funcionários LGBT+ esperam de suas carreiras e o que os empregadores oferecem. Baseado em uma pesquisa com 231 funcionários LGBT+ de diferentes países, o estudo revela que cerca de 85% dos funcionários LGBT+ entrevistados afirmam se sentir confortáveis no trabalho. No entanto, a maior parte dos empregadores ainda não aproveita todas as possibilidades para incentivar o crescimento desses profissionais.

Todos os funcionários LGBT+ entrevistados disseram que a progressão na carreira é importante para eles. No entanto, apenas 29% das empresas entrevistadas possuem programas especificamente voltados para a retenção de talentos LGBT+, e apenas 12% dos funcionários LGBT+ estão cientes de que tais programas existem na organização onde trabalham.

Enquanto quase 60% dos empregadores dizem que tomam medidas para garantir o desenvolvimento da carreira de pessoas LGBT+, de modo que elas alcancem uma gerência sênior, por exemplo, apenas 43% dos funcionários acreditam que isso acontece.

Para ajudar os talentos LGBT+ a alcançarem todo o seu potencial, as organizações precisam implementar os programas certos e comunicá-los amplamente. O déficit no apoio a esse público, segundo a pesquisa, é ainda maior pelo fato de poucos funcionários terem mentores LGBT+ (28%).

Quase todos os funcionários LGBT+ entrevistados (99%) citaram como fator importante a reputação da organização na hora de decidir onde trabalhar. Surpreendentemente, 43% dos empregadores não enxergam essa escolha como relevante quando o assunto é atração de talentos LGBT+.

A inclusão LGBT+ eficiente e verdadeira pode também representar um diferencial competitivo. Cerca de 83% dos funcionários LGBT+ pesquisados acreditam que encontrar um apoio efetivo onde trabalham melhora o conceito da organização no mercado, ao ser reconhecida como um empregador inclusivo. Quase todos os empregadores ouvidos (96%) também concordam nesse ponto.

Por volta de 67% dos funcionários acreditam que ter um programa de apoio LGBT+ possibilita à organização uma melhor compreensão dos desejos e necessidades de seus clientes. Já 89% dos empregadores acreditam nesse aspecto como importante para perceber de forma mais acurada as demandas do cliente. A sócia da PwC Brasil e líder da COP (Comunidades de Práticas) GLEE (Gays, Lesbian and Everyone Else), Luciana Medeiros, concorda: “ambientes mais diversos e inclusivos permitem que os profissionais desenvolvam ao máximo seu potencial, sendo quem realmente são e trabalhando de forma integral as diversas dimensões da vida”.

23 de junho de 2018

Pesquisa revela que as empresas precisam fazer mais para atrair e apoiar talentos LGBT+

Apesar de 85% dos funcionários LGBT+ se sentirem confortáveis no trabalho, apenas uma pequena parcela dos empregadores adota programas de inclusão exclusivos para esse público. Isso […]
23 de junho de 2018
prestigio

Salvador receberá concurso Garota Bumbum Trans

Quem é a transexual com o bumbum mais bonito? Essa escolha acontecerá no dia 14 de julho às 22h30 em Salvador durante mais uma edição do […]
23 de junho de 2018
JOJO

Léo Kret participa de gravação de novo clipe de Jojo Todynho

A Bahia estará muito bem representada no novo clipe da funkeira Jojo Todynho (a dona do que tiro é esse, viado)! Primeira transexual a ser vereadora de Salvador, […]
23 de junho de 2018
renata nanny

Nany People substituirá Renata Sorrah em nova novela da Globo: ‘tinha que ser uma trans’

Aos 52 anos, Nany People –  humorista, drag queen, comentarista, atriz, locutora, apresentadora, colunista e repórter de TV – vai estrear na teledramaturgia da Rede Globo. A […]
23 de junho de 2018
jogador

Jogador de futebol mata transexual para esconder relacionamento e é preso durante treino

O jogador de futebol Douglas Gluszszak Rodrigues, de 22 anos, foi preso sob suspeita de matar a transexual Thalia Costa Barboza, de 33 anos, com quem namorava há […]