HojeQueroVoltarG0-f
Filme brasileiro Hoje Eu Quero Voltar Sozinho entra na Netflix; Veja lista completa
21 de abril de 2016
rafael
Baiano disputa nesse sábado (23) título de gay mais bonito do mundo. Veja roupa que ele usará na final
22 de abril de 2016

Estudante prova saia em loja que vende peças ‘sem gênero’ e relata preconceito

paulo_rodrigues

O estudante carioca Paulo Rodrigues, de 21 anos, viu a campanha de uma grande loja de departamentos indicando que teria roupas “sem classificação de gênero”. Mas, ao tentar provar uma saia da coleção se deparou com preconceito e homofobia. Seu desabafo, pelo Facebook, recebeu mais de 130 mil curtidas.

“O conceito de roupa sem gênero dessa loja logo foi quebrado dentro da próprio estabelecimento na qual as roupas, essas que seriam ageneras, ainda são separadas e ditas como masculinas ou femininas. Ao criar uma coleção de roupas que deveriam na pratica poder ser usadas por ambos os sexos sem padronização de gênero requer mais esforços do que criar roupas cinzas ou sem estampas ou com outras cores neutras. Gênero não se designa por cor e muito menos por um pedaço de pano que vou por sobre meu corpo”, disse o estudante que ele preferiu não citar na postagem de forma explícita qual seria a loja.

Paulo relatou que se deparou com a discriminação em diversos momentos da sua passagem pelo estabelecimento. “Agradeço as moças que estavam do meu lado e que riram de mim quando me viram pegando roupas pra experimentar. Agradeço ao Sr. de terno e gravata que fez um sinal de reprovação com a cabeça quando me viu colocando essas mesma roupas na sacola.Obrigado ao funcionário do provador que fez questão de me perguntar DUAS vezes, dando mais ênfase na segunda, se eu realmente iria experimentar aquela peça de roupa”, enfatizou.

Mas, para ainda termos esperança na humanidade, ele fez um agradecimento especial: “Meu obrigado maior vai pra uma menina de no máximo doze anos que estava na porta do provador e perguntou ao atendente, ao ouvir o interrogatório dele, qual era o problema de eu experimentar a roupa que eu quisesse já que eu pagaria por ela caso gostasse”.

Jorge Gauthier
Jorge Gauthier
Jornalista, adora Beyoncé e não abre mão de uma boa fechação! mesalte@redebahahia.com.br

11 Comentários

  1. Javir disse:

    que bichona

  2. Carlos disse:

    “[…] qual era o problema de eu experimentar a roupa que eu quisesse já que eu pagaria por ela caso gostasse . Ainda temos salvação.

  3. Carlos disse:

    O que a sociedade tem que pôr na cabeça é a palavra COEXISTÊNCIA e TOLERÂNCIA! “Você” não deixará de ser hétero por causa que o “outro” é gay e vice versa, todos podem viver sem interferir na essência da vida do outro. A parir da hora que cada um tomar conta da própria vida e perceber que o “meu” direito termina quando começa o “seu”, o mundo irá caminhar para outro estágio de convivência em sociedade. Estamos caminhando para uma grande quebra de paradigmas e espero que seja logo em breve. O ser humano (qualquer gênero, condição, raça e etc..) merece respeito, seja ele “machão” “bichona” “mulherão” “piriguete” ou qualquer qualificador pejorativo que utilizamos por aí! Vivamos ! Vivamos! Vivamos!

  4. Luís disse:

    Que falta de roça pra capinar.

  5. Alan Vargas disse:

    Muito bom o artigo, parabéns por mais esse conteúdo super relevante. grande abraço e sucesso sempre

  6. wesley munis disse:

    Adorei seu artigo, está muito bem escrito, Parabéns e muito sucesso!!!

  7. willian costa disse:

    Parabéns pelo seu blog, além de um design fera, seus artigos estão muito bem escrito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *