reuniao
Após 18 anos, parada LGBTQIA+ de Salvador sairá do Campo Grande
7 de agosto de 2019
old
Festa Old Hits volta ao Portela Café neste sábado (10)
10 de agosto de 2019

Daniela Mercury vence processo contra Isidório por injúria praticada em vídeo

Design-sem-nome-6-e1548251073823

Por Marina Hortélio*

O deputado federal Pastor Sargento Isidório (Avante) foi processado pela cantora Daniela Mercury por um vídeo no qual ofende a artista por ela ter defendido a realização de uma peça teatral religiosa protagonizada por uma atriz trans. O desfecho do caso se deu nesta sexta-feira (9), quando o parlamentar reconheceu seu erro e fez um acordo com a defesa de Daniela, durante audiência no Fórum Criminal de Salvador.

Para dar fim no processo, ficou acordado que o parlamentar deve pagar uma multa referente a 25% do salário de deputado por cinco meses. As duas instituições beneficiadas foram escolhidas em Mesa de audiência. São elas: o Instituto Nice de Apoio a Mulheres Travestis e Transsexuais e o Hospital Martagão Gesteira.

Ao Correio, o deputado disse que a multa é uma oportunidade de fazer o bem. “O meu salário é o povo que me dá. Até tentei botar a minha fundação para ser uma das recebedoras da multa. O que interessa é que foi para duas entidades importantes, é uma multa que deixa todo mundo alegre”, afirmou.

Isidório ainda deve retirar o vídeo com as ofensas da internet e ainda gravasse um outro registro com tempo semelhante para pedir desculpas a cantora e sua família. As imagens já foram gravada e aprovadas pelo advogado da artista, o criminalista Ricardo Sidi.

A cantora comemorou o acordo, que, para ela, é uma vitória da justiça, dos direitos humanos e da liberdade de expressão artística. “Me sinto feliz de ter sido deixado claro quem eu sou como militante de direitos humanos e como defensora da democracia. Esse pedido de desculpas me faz acreditar na manutenção dos nossos direitos constitucionais”, pontuou.

Em entrevista, o parlamentar afirmou que conheceu Daniela de perto e percebeu que havia errado. “Percebi que presencialmente ela é muito agradável. A juíza trabalhou positivamente, a maneira da doutora me fez entender que era bom fazer o acordo com a artista. O que era ruim, vai beneficiar a ação social. A gente tá morrendo e vai levar mágoa?”, ressaltou.

O Me Salte tentou contato com o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA), mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

*Com orientação do chefe de reportagem e editor do Me Salte, Jorge Gauthier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *