A alimentação deve ser uma aliada nos estudos para concursos. Há alimentos capazes de melhorar a memória e manter o cérebro mais ativo. A convite do A Toda Prova, a nutricionista Ramona Baqueiro Boulhosa* esclareceu algumas dúvidas comuns de concurseiros sobre o assunto. Confira abaixo:

frutas

1. A alimentação pode interferir no ritmo de estudo?
Claro! O combustível do cérebro é a glicose, adquirida pela alimentação. Assim, manter um nível de glicose sanguínea adequada é fundamental para assimilação dos conteúdos estudados. Por isso, realizar 5 a 6 refeições por dia (desjejum, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia) é fundamental para manter esse equilíbrio. Além disso, evitar o consumo de alimentos “pesados” pois estes causam desconforto e sono, reduzindo a disposição para os estudos.

2. Há alimentos capazes de potencializar o rendimento dos estudos?
Sim. Alimentos ricos em Ômega-3, como os peixes (salmão, sardinha, atum), nozes e linhaça são importantes aliados na hora dos estudos. O Ômega-3 ativa a memória, auxilia nos processos cognitivos e favorece a transmissão dos impulsos nervosos. Além disso, esse ácido graxo é um potente antioxidante, minimizando os efeitos dos radicais livres gerados pelo estresse neste período.

O ferro também é um nutriente importante pois auxilia na oxigenação dos tecidos, incluindo o cérebro. Por isso, é fundamental o consumo adequado deste mineral, encontrado nos feijões, beterraba, açaí, folhas verdes escuras e nas carnes vermelhas. Outros alimentos de interesse são: morango, que estimula os mecanismos cerebrais de armazenar memória de longo prazo; ervilha, pão integral, batata, oleaginosas (castanhas, amêndoas, amendoim), ricos em tiamina, vitamina essencial para formação de neurotransmissores.

3. Qual a alimentação adequada para o dia de prova? Há alguma diferença se a prova for pela manhã ou à tarde?
De uma forma geral, a alimentação pré-concurso deve ser leve, sem grande quantidade de gordura e incluindo carboidratos integrais, vegetais e proteínas magras. Assim, se a prova for pela manhã, sucos de fruta, pão integral, queijo branco ou ricota são boas opções. Para aqueles que não costumam comer pela manhã, um aviso importante: após uma noite de sono, nossas reservas de glicose estão exauridas; como a glicose é a principal fonte de energia do cérebro, permanecer em jejum pode comprometer o desempenho durante a prova. Assim, é especialmente importante a realização do desjejum neste dia.

Caso a prova seja à tarde, um almoço leve, constituído de peixe ou frango grelhado, salada a vontade (sem molhos), arroz ou macarrão integral e fruta ou suco de fruta são recomendados. Alimentos muito condimentados , ricos em enxofre (feijão, repolho, ovo cozido) e a farinha podem trazer desconforto durante a prova e, por isso, devem ser evitados.

Independente do horário do concurso, todo candidato deve alimentar-se e beber água durante a prova. É recomendado o consumo de alimentos fonte de carboidrato, como barras de cereais e frutas. As guloseimas como biscoitos e balas devem ser evitadas por poderem causar hipoglicemia de rebote (ver resposta 6).

4. E na véspera da prova? O que deve ser consumido?
Na véspera da prova, deve-se privilegiar um cardápio leve, com 5 a 6 refeições por dia. Devem ser incluídas frutas e verduras, cereais integrais como arroz integral, aveia, granola, raízes e tubérculos (banana da terra, batata doce, aipim, inhame), laticínios desnatados ou semidesnatados, carnes brancas (peixes ou aves) grelhadas ou assadas e muita água, para manter a hidratação adequada.

Para aqueles indivíduos que, nos momentos de nervosismo tendem a apresentar ritmo intestinal acelerado (a chamada “dor de barriga emocional”), sugere-se que no dia anterior a prova prefira alimentos com capacidade obstipante, como banana, goiaba, maçã sem casca.

Alimentos “pesados”, ricos em gordura, por demoram muito tempo para serem digeridos, devem ser evitados na véspera da prova. O consumo destas preparações pode levar o candidato a sentir desconforto gastrointestinal no dia da prova, prejudicando seu desempenho.Devem ser evitados ainda alimentos comercializados nas ruas, de procedência duvidosa. Esses alimentos podem ser veículo de bactérias e vírus, causando infecções e toxifecções intestinais, com vômitos, febre e diarreia. As bebidas alcoólicas alteram a taxa de glicose no sangue e podem causar mal estar no dia seguinte e, por isso, seu consumo não é recomendados nas 24 horas que antecedem o concurso.

5. Durante a prova, algumas pessoas costumam comer um chocolate para diminuir a ansiedade, isto é correto? O que deve ser consumido durante a prova?
O chocolate tem propriedade ansiolítica pois seu consumo eleva a produção de serotonina, substância relacionada a sensação de relaxamento. Além disso, o chocolate é rico em carboidrato, fornecendo energia no momento da prova. Contudo, se consumido em grandes quantidades, o açúcar contido neste alimento pode levar a hiperglicemia, seguida de uma hipoglicemia de rebote. Assim, o candidato pode ter vertigem, taquicardia e até desmaios, prejudicando o desempenho no concurso. Sugere-se, portanto o consumo, em quantidades moderadas, do chocolate com 70% de cacau, que, além de ter menor quantidade de açúcar, possui propriedade ansiolítica mais potente.

6. O que você acha do uso de energéticos e estimulantes como café?
Embora essas bebidas aparentemente deem energia, esse efeito é passageiro, gerando um efeito rebote de cansaço e sonolência. Adicionalmente, essa “energia” não é seguida necessariamente de concentração. Ao contrário, esses alimentos aumentam ainda mais a ansiedade. Além disso, para aqueles indivíduos que tem refluxo e gastrite, incluindo gastrite nervosa, o café e bebidas energéticas podem precipitar ou agravar a sintomatologia de dor e desconforto. Assim, eu desaconselho o consumo destas bebidas, especialmente nas 24 horas que antecedem a prova.

7. Há alguma outra dica que você gostaria de dar para os concurseiros.
Reforço a necessidade de alimentar-se de forma leve, como sugerido acima, e levar lanche saudável e água para reabastecer o organismo durante a prova. Ademais, manter a calma, a concentração na prova e atenção ao tempo. Afinal, o bom resultado responde a todo o processo de dedicação e estudo prévio.

* Ramona Baqueiro Boulhosa é nutricionista graduada pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) e mestre em Medicina e Saúde (Ufba), docente do curso de graduação em Nutrição do Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge) e nutricionista clínica da Cardio Vascular Center.

4 Responses to “Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos”
  1. Concurseiro Nato says:

    O que me incomoda, e tenho certeza que tambem muita gente, é o barulho de saquinhos abrindo durante a prova, tem pessoas que nao possuem bom senso e levam ate “fandangos” para a prova. Desculpa a sinceridade, mas 4 horinhas de prova nao precisa fazer piquenique, da pra aguentar, ficamos sem comer no trabalho, em viagens curtas, ninguem ainda morreu por causa disso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Renaide says:

    Concordo plenamente, esse barulho de saquinhos incomoda e muuuuuuuito!!!!!!!!!

  3. Leandro Souza says:

    Já soube que esses saquinhos estão com os dias contados, pois as empresas que fazem os concursos só estão admitindo embalagens transparentes….bons estudos galera.

  4.  
Leave a Reply



Warning: readfile(../ga.txt): failed to open stream: No such file or directory in /home/correiodb/correio24horas.com.br/blogs/a-toda-prova/wp-content/themes/mandigo/footer.php on line 356