Archive for the “Dicas” Category

Segue abaixo mais uma contribuição do procurador federal Diego Pereira* para o blog A Toda Prova:

“O que a Copa do Mundo tem a nos ensinar? O que o melhor jogador do mundo tem a nos ensinar? Mesmo após aprovado em diversos concursos públicos, utilizo-me de grandes referências para me inspirar em novos projetos.

Cristiano Ronaldo é um exemplo disso. Foco, dedicação, treinamento e persistência são palavras cotidianas desse astro do futebol. CR7 tem blindagem contra aquelas pessoas que o criticam. CR7 tem foco e determinação para sempre querer mais, para sempre se sentir o melhor naquilo que aprendeu a fazer.

Ele, que condena essa ideia de talento nato, tem muito a nos ensinar. Caro concurseiro, quando se sentir desmotivado, lembre-se das lições do melhor do mundo: ninguém nasce bom em nada, torna-se.

Mas CR7 não foi eliminado da Copa ainda na primeira fase do campeonato? Acontece, pode acontecer! Lá e cá: no futebol e nos concursos. Derrotas e reprovações acontecerão, isto é fato. Mas temos que estar preparados para o próximo jogo, para a próxima prova….

(Foto: Fifa/AFP)

Na comparação que aqui estabeleço, posso falar que o melhor jogador do mundo pode não ter levado o título que tanto sonhava, mas seu percurso até este objetivo foi brilhante. E isto importa muito. Treinou, abriu mão de muita coisa, suou a camisa, caiu, levantou, aprendeu, fortaleceu-se!

Amigos, derrotas, reprovações e perdas acontecerão no futebol, nos concursos e na vida. Sabendo disso, cabe-nos aproveitar o percurso, encará-lo com leveza e equilíbrio para partir para o próximo desafio. Vida que segue!

Fiz 43 concursos ao longo desses anos. Certamente, se eu desistisse nas primeiras reprovações, não estaria no atual cargo que ocupo hoje! Avante!”.

*Diego Pereira é procurador federal (AGU). Foi analista no Ministério Público da União (MPU) e aprovado em diversos concursos. É mestre em Direitos Humanos pela Universidade de Brasília (UnB).

Leia também:
Como estudar para concurso sem edital?
Conheça os principais métodos de estudo para concursos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments No Comments »

Às vésperas de provas, sejam elas para a escola, concursos ou o Enem, muitos viram a noite para revisar os assuntos. Mas todo esse esforço pode ir por água abaixo – ou, ainda pior, prejudicar o candidato. Para explicar por que isso acontece e dar dicas de como usar o sono ao seu favor, a especialista Kenya Felicíssimo, Delegada-Brasil da Associação Mundial de Medicina do Sono, ministra a palestra “Entenda como o sono pode contribuir ou prejudicar seu aprendizado”, na próxima terça-feira (20), das 20h às 21h30.

O encontro acontece no espaço Comunidade do Conhecimento da Rede FTC, localizado no Salvador Shopping (piso L2, próximo à Riachuelo). O evento é gratuito e as inscrições devem ser feitas através do site do espaço ou neste link. No bate-papo, a profissional dará dicas do que fazer para garantir o sono restaurador e potencializar o aprendizado. “A consolidação do que foi aprendido depende de uma boa noite de sono”, afirma Kenya Felicíssimo.

Ela explica que quem dorme pouco tem dificuldades de concentração, atenção, memória, entre outros sintomas. Se a falta de sono for na noite anterior à prova, isso é ainda pior. “Além de causar estresse, você ficará cansado, sonolento e terá dificuldade em lembrar de tudo que estudou. Enquanto dormimos, o cérebro armazena o que aprendemos e se prepara para novos conhecimentos”, acrescenta Kenya Felicíssimo, que é professora de mestrado da Universidade Federal da Bahia (Ufba), pioneira em Odontologia do Sono na Bahia e doutora em Biotecnologia.

Leia também:
Como estudar para concurso sem edital?
Conheça os principais métodos de estudo para concursos

Comments No Comments »

Quem sonha em conquistar uma vaga no funcionalismo público precisa ficar atento às publicações e começar a estudar mesmo antes de o concurso ser autorizado. Um dica importante é iniciar a preparação com um curso que forneça uma base e aprofunde os conteúdos. Ao antecipar os estudos, o concurseiro fica um passo à frente dos concorrentes. Quando o edital é publicado, basta revisar as disciplinas ou estudar o que foi alterado de um concurso para o outro.

Depois de autorizados pelo governo, os concursos podem demorar até seis meses para publicar o edital – este é o prazo máximo, sob o risco de perder a autorização do certame e ter que aguardar uma nova autorização. “Se esperar a publicação do edital, o candidato terá um prazo muito curto [45 a 90 dias] até a aplicação das provas. Por isso, iniciar a preparação com antecedência é fundamental para cumprir o cronograma das matérias exigidas e conseguir o êxito no concurso”, explica Sandra Castro, gestora da Damásio Educacional, de Feira de Santana – instituição de ensino que possui cursos preparatórios para concursos.

Para Sandra, o primeiro passo é buscar os editais de concursos anteriores da mesma instituição e cargo que almeja. Dessa forma, o concurseiro terá uma noção das disciplinas que são exigidas e conseguirá montar um cronograma de estudos mais eficaz. “Mesmo que haja mudanças de um edital para o outro, o candidato consegue sair na frente dos concorrentes”.

Foto: creativeart/Freepik

Foto: creativeart/Freepik

Resolução de questões

De acordo com Henrique Brito, sócio do escritório de advocacia Parish & Zenandro e monitor da Damásio Educacional – Unidade Feira de Santana, outra boa dica para quem está se preparando para concursos públicos é resolver questões, tanto de provas anteriores como de cursos que estão sendo disponibilizados com esse formato. Aliada a fatores como dedicação e foco, a resolução de questões compõe a fórmula do sucesso.

“Estudar resolvendo questões aprimora o conhecimento e favorece a fixação dos assuntos. Com a prática, também é possível analisar a formatação das questões e a linha de raciocínio utilizado pela respectiva banca na elaboração das provas, tanto no que diz respeito à parte de construção das questões em si, bem como na identificação dos principais assuntos e como são cobrados”, revela o advogado, especialista em Direito Processual Civil. Os documentos costumam ficar publicados nas páginas das empresas organizadoras dos certames.

Disciplinas básicas

Outra importante dica é valorizar as matérias básicas, como Português, Raciocínio Lógico e Informática, que acabam fazendo a diferença. Como muitos candidatos não têm afinidade com essas disciplinas, quem se dedicar a elas ganha vantagem. Não existe uma fórmula pronta para aprovação em concurso público, cada candidato tem o melhor horário, o tempo e a maneira de aprender. O certo é que com dedicação, persistência e foco, todos podem conseguir a tão sonhada vaga em um concurso público.

Leia também:
Saiba como resolver questões leva à aprovação em concursos
Quer passar no concurso do INSS? Saiba como se preparar
Entenda como o sono ajuda na preparação para concursos
Conheça os principais métodos de estudo para concursos
Confira dicas de como se preparar para concursos públicos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments No Comments »

Quem estuda para concursos públicos sabe que algumas técnicas são fundamentais para alcançar a aprovação. Elas ajudam a otimizar o tempo, que é escasso para a maioria dos concurseiros. A rotina de estudo tem seus altos e baixos. Esta é uma fase delicada, mas muito especial. É o momento de maturação de um projeto maior e desistir não é o melhor caminho. Um dos métodos mais utilizados por aqueles que já chegaram ao cargo público dos sonhos é algo aparentemente simples, mas pouco praticado pelos concurseiros: a resolução de questões. Para tratar deste assunto, o A Toda Prova convidou o advogado Henrique Brito*. Leia mais abaixo:

“A resolução de questões é elixir da aprovação em concurso público. Aliado a fatores como dedicação e foco, o método compõe a fórmula do sucesso. O ideal é que o concurseiro resolva questões de provas de concursos anteriores, mas sem necessariamente descartar aquelas que, porventura, se depare durante os estudos. A prática, sem dúvidas, é uma forma de chegar à perfeição.

Estudar resolvendo questões aprimora o conhecimento e favorece a fixação dos assuntos. Com a prática, também é possível analisar a formatação das questões e a linha de raciocínio utilizado pela respectiva banca na elaboração das provas, tanto no que diz respeito à parte de construção das questões em si, bem como na identificação dos principais assuntos e como são cobrados. Em matéria jurídica, por exemplo, é possível analisar se a banca costuma trabalhar em cima de casos práticos ou se majoritariamente cobra a letra fria da lei.

HNCK4011

O norteamento dos estudos é outra razão para se resolver questões de provas anteriores. O concurseiro precisa ter a noção de que nem tudo que está nos livros é efetivamente cobrado nas provas, caso contrário desperdiçará muito tempo. Percebendo o conteúdo que pode ser exigido pela banca, é possível direcionar os estudos, dedicando uma atenção especial a tais assuntos. Mas cuidado! Tudo que está no edital é suscetível de ser exigido e logicamente precisa ser estudado. A intenção não é descartar determinados assuntos, apenas atribuir uma maior atenção a algumas disciplinas.

É possível ainda diagnosticar quais são as matérias em que há necessidade de intensificar os estudos. Isto é, resolvendo provas anteriores, o concurseiro consegue medir seu índice de desempenho e, com isso, verificar quais assuntos ainda precisa se debruçar com mais afinco.

Provas de diversos concursos estão disponíveis na internet. Mas a prioridade deve ser dada aos sites das organizadoras que disponibilizam as provas já aplicadas (Cebraspe, Fundação Carlos Chagas, Cesgranrio, Fundação Getúlio Vargas…). Há sites que reúnem diversas questões de provas de concursos públicos, os quais, inclusive, possibilitam pesquisas específicas e aprimoradas (porém é preciso ter cuidado com algumas páginas quanto à idoneidade e à veracidade das informações que são disponibilizadas). Além disso, alguns cursos para concursos públicos costumam ofertar simulados gratuitos e específicos, o que é uma ótima forma de testar o conhecimento e o nível de preparação.

Claro que o estudo para concurso não pode se limitar à resolução de questões. Até porque a preparação para as provas é composta por aspectos que vão de uma alimentação saudável e boas noites de sono a dicas específicas sobre metodologia de estudo. A trilha para a aprovação é cansativa e com muitos contratempos, porém, lembre-se: problemas são oportunidades não reveladas“. 

* Henrique Brito é pós-graduando em Direito Tributário pela Faculdade Damásio e pós-graduado em Direito Processual Civil pela Faculdade Baiana de Direito. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge). Sócio do escritório Parish & Zenandro Advocacia e Consultoria. Monitor da Faculdade Damásio – Unidade Feira de Santana. Autor de diversas obras publicadas em revistas jurídicas especializadas. Advogado, parecerista e palestrante. E-mail para contato: henrique@pz.adv.br.

Leia também:
Quer passar no concurso do INSS? Saiba como se preparar
Entenda como o sono ajuda na preparação para concursos
Conheça os principais métodos de estudo para concursos
Confira dicas de como se preparar para concursos públicos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments No Comments »

As provas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) estão se aproximando. São oferecidas 950 vagas em cargos de níveis médio e superior, com salários que variam de R$ 4.886,87 a R$ 7.496,09. Toda atenção é pouca neste período de festas. Qualquer distração pode custar o tão sonhado cargo público. A convite do A Toda Prova, o procurador federal Diego Pereira*, que sabe muito bem como é estudar com edital já lançado, preparou um novo texto com dicas para ajudar aqueles e aquelas que estão focados no estudo para este concurso. Leia abaixo:

Estudo

’Mas é Carnaval! (…) amanhã volta tudo ao normal. Deixa a festa acabar. Deixa o barco correr’. Que bom seria transportar esses versos de Chico Buarque para o mundo real dos concurseiros. Quem está estudando para o concurso do INSS (com inscrições abertas até o dia 22) poderia jogar tudo para cima e curtir o Carnaval, afinal, na quarta-feira de cinzas tudo volta ao normal e o estudo seria retomado. Não.

Se você quer, de fato, mudar sua vida pessoal e profissional, por meio da posse em um cargo público, invista em seus estudos, mantenha o foco e tenha certeza que a aprovação é uma consequência. Este concurso para o INSS tem sido um dos mais esperados de todos os tempos, neste sentido, resolvi sanar as dúvidas mais comuns dos candidatos a uma das vagas deste certame.

Organizadora

Inicialmente, é interessante falar da organizadora do concurso. A Cebraspe (antigo Cespe/UnB) caracteriza-se pelo modo peculiar de elaboração de provas, tanto em relação ao que é perguntado quanto ao modo de correção da prova. Por exemplo, o direito se transforma a cada dia e a jurisprudência dos tribunais representam a evolução de que estamos falando.

O Cespe/UnB entende que o candidato deve acompanhar toda essa mudança jurisprudencial. Isso requer uma preparação especial por parte dos candidatos, que é a leitura dos boletins de jurisprudência, além dos entendimentos contidos em Enunciados e Súmulas. Esta dica vai especialmente para quem for fazer a seleção para o cargo de Nível Superior. Este tipo de conhecimento é obtido mais facilmente através de livros voltados para concurso e aulas preparatórias.

Jurisprudência e leis

Embora o Cespe/UnB tenha variado suas avaliações com a cobrança de jurisprudência e o texto de lei, ainda assim prevalece o uso da primeira sistemática. Assim, o candidato que vai realizar provas desta instituição (cargo de Analista) deve ficar atento ao que foi decidido no Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Enunciados da Turma Nacional de Uniformização (TNU). Os Enunciados da TNU apenas no que se referem à matéria Direito Previdenciário. #FocoNaJurisprudência!

Mas é importante lembrar que diante de inúmeras questões alvo de recursos, o Cespe/UnB tem cobrado, cada vez mais, entendimentos mais consolidados e ao mesmo tempo conteúdo com previsão na lei. Desta forma, dê igual importância ao estudo da lei, ainda que a banca seja Cespe/UnB, com o diferencial que o estudo de jurisprudência deve se manter em seu planejamento. #FocoNasLeisPrevidenciárias!

Já para o cargo de Nível Técnico, a recomendação é manter o foco no estudo da famosa ‘lei seca’. Memorize os artigos de lei e vá com tudo para cima do Cespe.

Para a avaliação da disciplina Língua Portuguesa, atente-se para a interpretação de texto, que envolve mais de 70% da avaliação e, nas vésperas da prova, leia cuidadosamente o Manual de Redação da Presidência da República, cujo conteúdo será cobrado na parte gramatical da prova. #FocoNoManualDeRedaçãoDaPresidencia!

Pontuação

E não se deve esquecer a sistemática de avaliação realizada por esta banca: aqui o candidato é apenado pelo erro. Cuidado!!!! Como neste edital o desconto é paritário (1 erro elimina 1 acerto), evite marcar as questões que não sabe. Lembrando que a não marcação do item por parte do candidato não implica penalidade. Em uma prova de 120 itens como esta, o conselho é que se marque apenas o que se tem certeza, mas sem deixar mais de 20 itens sem marcação.

A mensagem final é esta: mantenha o #FocoNosEstudos e brinque seu Carnaval de forma comedida, tendo em vista que, quando se tem Edital aberto, o momento é de acelerar os estudos. Tudo valerá a pena e no próximo Carnaval, já empossado, você dirá: ‘Eu nado em dinheiro (….) Nasci pra sambar’”.

* Diego Pereira é mestrando em Direitos Humanos pela Universidade de Brasília (UnB). Pós-graduado em Direito Público pelo Instituto Unyahna/Salvador. Graduado em Direito pela Universidade Federal da Bahia (Ufba). Aprovado nos concursos de Procurador do Estado da Bahia e Advogado do BNDES. Ex Analista Jurídico do MPU (MPF). É Procurador Federal e autor do livro ‘Sinopse da Aprovação’ (Editora Viva Direito).

Leia também:
Entenda como o sono ajuda na preparação para concursos
Conheça os principais métodos de estudo para concursos
Confira dicas de como se preparar para concursos públicos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments 6 Comments »

Na preparação para provas de concursos públicos, muitos esquecem de comer a cada três horas, outros não praticam atividades físicas e alguns até ingerem substâncias para não dormir. Engane-se quem pensa que passar noites em claro vai acelerar o processo de aprendizagem; ao contrário, uma boa noite de sono é fundamental para fixar no cérebro os conhecimentos adquiridos. A convite do A Toda Prova, a cirurgiã-dentista Kenya Felicíssimo* – única na Bahia com título em Odontologia do Sono, emitido pela Associação Brasileira do Sono (ABS) – explica a importância do sono para vencer a maratona dos concursos públicos. Leia abaixo:

Foto: João Ferreira/Divulgação

Foto: João Ferreira/Divulgação

– De que forma o sono pode auxiliar ou atrapalhar o estudo para concursos públicos?
O sono é sempre um aliado para o aprendizado, seja para concursos, vestibular ou provas cotidianas. Enquanto dormimos, o nosso cérebro armazena o que aprendemos e se prepara para um novo aprendizado. É necessário respeitar o sono, e se engana quem imagina que vai conseguir aprender mais virando noite para estudar. E muito pior se for na noite anterior à prova. Além de causar estresse, você fica cansado e terá dificuldade em lembrar de tudo que havia aprendido. O sono só atrapalha se você tiver algum distúrbio, como ronco e apneia, pois as doenças irão interferir na qualidade do descanso.

– Quantas horas de sono são recomendadas para manter um bom ritmo de estudo?
Este é bem individualizado, assim como o melhor momento de rendimento. Algumas pessoas rendem estudando no período da tarde, outras pela manhã, e a quantidade de horas de sono vai depender de cada um. O concurseiro precisará fazer um teste até achar a quantidade que o deixe mais atento. Tem uma dica que é excelente: precisa-se criar uma rotina, ter o mesmo horário de dormir e acordar. Isto ajuda seu organismo a ficar melhor programado. Esta vale a pena seguir! Lembrando que nosso organismo precisa de, em média, 21 dias para tornar isso um hábito.

– O que devemos fazer na noite anterior ao dia da prova?
Procurar descansar. Durma, não tente estudar, isso só criará mais ansiedade e estresse. Procure assistir a um filme, daqueles leves, no estilo comédia romântica, ou ouvir músicas relaxantes próximo ao horário de dormir. E se preocupe com a alimentação, principalmente à noite e antes da prova.

– Como evitar o sono durante o estudo e também durante a prova?
Se dormir bem, vai estar descansado e os estudos vão render. Mas é necessário ter estratégia, procure estudar o assunto que tem menos interesse no momento que está mais disposto. Porque se você já está um pouco cansado e ainda vai enfrentar o assunto que não gosta, vai ter tédio e o sono é uma excelente fuga.

– Qual a sua opinião sobre o uso de energéticos e estimulantes como café?
Devem ser evitados, principalmente próximo ao horário de dormir. São estimulantes e podem até te manter acordado mas sem atenção. E o pior que prejudica a qualidade do sono. O café pode ajudar após a refeição, mas fazer uso em grande quantidade não é a melhor tática.

– Há alimentos que ajudam a ter uma melhor noite de sono?
Dê preferência para alimentos leves, como saladas. A digestão é melhor e proporciona maior bem-estar.

– Acordar cansado e sem ânimo para estudar é sinal de que algo não vai bem?
Sim! Se dormimos bem, e isto quer dizer a quantidade de horas necessárias e com qualidade, é para o organismo acordar disposto. Ou seja: isso significa que você deu a ele o combustível imprescindível, que é o sono restaurador.

– Quais os efeitos que o sono irregular pode provocar a curto e a longo prazos?
A sonolência é o primeiro sinal, depois vem acompanhada da dificuldade de concentração e prejuízos de memória. E outros sinais é o mau humor, a impaciência. Se eu pudesse dar um único conselho aos concurseiros, eu diria: durmam.

 – Há alguma outra dica que você gostaria de deixar para os concurseiros?
Eles podem se beneficiar com a higiene do sono, fundamental para quem quer ter um bom descanso. Confira as dicas:

1. Mantenha atividade física, mas não muito perto da hora de dormir

2. Não se deite com fome

3. Evite álcool, fumo e cafeína

4. Estabeleça uma rotina para dormir

5. Não passe frio nem calor

6. Resolva os problemas antes de se deitar

7. Só vá ao quarto para dormir

8. Durma em um local escuro e quieto

9. Procure expor-se à luz solar

* Kenya Felicíssimo é doutoranda em Biotecnologia e especialista em Ortodontia e Radiologia. No consultório, atua no tratamento de distúrbios como ronco, apneia, bruxismo, disfunções da ATM, zumbido e resistência de vias aéreas, com aparelhos confeccionados de forma individualizada. Como empreendedora, é pioneira no Brasil em projetos de PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) na área de distúrbios do sono. Atualmente, está desenvolvendo um aparelho intraoral para tratamento do ronco que seja produzido em escala industrial (invenção patenteada que rendeu à profissional o Prêmio Inventor Independente da Ufba e contemplação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – Fapesb). Está alocada no Parque Tecnológico da Bahia, referência no estado por reunir empresas de ponta em novas tecnologias.

Leia também:
Conheça os principais métodos de estudo para concursos
Confira dicas de como se preparar para concursos públicos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments No Comments »

Novamente, a convite do A Toda Prova, o analista do MPU e professor Diego Pereira* preparou um novo texto sobre os principais métodos e estratégias de estudo para concursos. Leia abaixo:

Técnicasdeestudo

“Feliz ano novo!!! Isso mesmo. Passado o Carnaval, parece que só agora o ano começa. Essa sensação de início de ano serve também para traçarmos metas. Aqui, neste espaço, nossas metas se referem a obter uma aprovação no concurso público. Vamos lá.

As notícias envolvendo a abertura de editais de concurso público esse ano não são as melhores. Sabemos que o país atravessa uma crise econômica e um consequente arrocho fiscal que, necessariamente, engloba a diminuição na contratação de servidor público, seja na esfera municipal, estadual e principalmente federal. Mas isso não é motivo para desisitir de estudar este ano. Pelo contrário, esse é o momento perfeito para continuar, ou quem sabe, iniciar os estudos em busca de uma aprovação, nomeação e posse. Certamente você, amigo concurseiro, já ouviu dizer que é ‘na crise que se cresce’.

Pense comigo: o Estado é uma máquina. Uma máquina pública que precisa se manter em funcionamento. Inevitavelmente, servidores morrem, pedem exoneração, se aposentam, etc. A necessidade de abertura de novos editais é inevitável. Sem falar no aparelhamento de algumas carreiras que, necessariamente, ocorrerá com a contratação de novos servidores. Em outros termos, quero exemplificar que mais cedo ou mais tarde os editais vão surgir e você precisa estar preparado para os mesmos.

Ora, se a previsão é a de que saia poucos concursos esse ano, não desanime. Veja sempre o lado bom das coisas: você terá um ano inteiro com mais tempo para estudar sem se preocupar com o cumprimento dos editais em aberto. Então, a mensagem aqui é que você não deve desanimar diante da previsão de poucos concursos esse ano e aproveitar o momento para estudar, em especial, as matérias que mais tem dificuldade e/ou demanda maior tempo de sua parte.

Conforme nosso último post, prometi falar um pouco sobre os principais métodos de estudo. Seguem abaixo:

RESUMOS: este método requer maior tempo para ser aplicado. Para época de faculdade é um método que serve, uma vez que a forma de aprendizagem é mais densa e complexa, afinal são quatro, cinco ou seis anos para se concluir uma graduação. Agora não. O fator tempo tem que ser trabalhado a seu favor. Mas um fato a ser relembrado é a necessidade de se fazer breves notas que conclua a ideia transmitida em um capítulo de um livro doutrinário, por exemplo, em especial para se fazer o uso desse material no momento que anteceder as provas que exigem maior conhecimento técnico, como é o caso de provas discursivas.

MNEMÔNICOS: a eficácia deste método é muito relativa. Em algumas situações é interessante, mas nem sempre é assim, já que é impossível memorizar as mais diversas matérias de estudo através de associação. Eu aplico muito esta metodologia em alguns casos específicos, tais como a composição de um tribunal, o quórum de votação de determinada matéria, ou ainda nas hipóteses em que ocorrem uma sequência de palavras que costumam ser cobradas de maneiras associadas.

AUTOEXPLICAÇÃO: após estudar cada matéria, explique para você em voz alta o que você apreendeu daquele conteúdo. Você então perceberá que cada vez que estiver lendo a matéria tentará obter o máximo de concentração, já que tem este compromisso de aprender e explicar para si próprio o que acabou de estudar.

RESOLUÇÃO DE QUESTÃO: estudos científicos comprovam que este método é o mais eficiente. Imagine que alguém queira aprender tocar violão, a nadar ou dirigir. Coloque esta pessoa em uma sala de aula e apenas a explique de forma teórica como proceder em cada uma dessas atividades. O resultado já conheceremos de antemão: insucesso. É necessário colocar em prática aquilo que aprendemos, aprender com os erros e ver a aplicação dos acertos acontecerem. Só assim saberemos a medida exata daquilo que absorvemos ou não.

Todos esses métodos podem (devem) ser utilizados conjuntamente, mas priorize a resolução de questão. Trace uma meta diária e resolva questão de todas as matérias, ainda que esteja estudando apenas uma ou duas naquele dia. Por exemplo, se na segunda-feira você estuda português e constitucional, deve reservar um horário para a resolução das questões dessas matérias e de tantas outras que caem no seu concurso, aí você consegue, diariamente, fazer o mais importante no estudo para concurso: a REVISÃO das matérias.

Essa foi a dica de hoje. Aproveito pra desejar, mais uma vez, um feliz ano novo aos GUERREIROS de plantão e dizer que essas dicas e outras tantas farão parte do meu livro sobre dicas para concursos, que será lançado em breve pela Editora Jus Podivm”.

* Diego Pereira é graduado em Direito pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), pós-graduado em Direito Público pelo Instituto Unyahna , aprovado nos concursos para Procurador Federal, Procurador do Estado da Bahia, Advogado do BNDES. É Analista do MPU.

Leia também:
Saiba quais são os concursos previstos para 2015
Confira dicas de como se preparar para concursos públicos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments 3 Comments »

Mais uma vez, a convite do A Toda Prova, o advogado e professor Diego Pereira* preparou uma lista de itens que devem ser considerados pelos candidatos do concurso do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA). O certame oferece 200 vagas, das quais 107 são para nível superior, 81 para nível médio e 12 para nível médio técnico. Os salários são de R$ 3.091,21 para nível médio e R$ 5.117,24 para nível superior, mais auxílios alimentação e transporte. Leia as dicas abaixo:

1397659694tj_bahia

“Antes de falar sobre os métodos de estudos (promessa do último post sobre dicas), resolvi fazer uma pequena nota denominada de ‘Edital do TJ/BA por dentro’, que tem como objetivo detalhar as peculiaridades deste Edital, cuja banca examinadora é a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Banca Examinadora: sabemos que as duas bancas mais conhecidas de concurso público são o Cespe/UnB e a Fundação Carlos Chagas (FCC). A FGV está mais próxima da FCC do que do Cespe. Assim, a FGV costuma trabalhar com questões que envolvem basicamente a letra de lei, exigindo um pouco menos de interpretação da lei e decisões jurisprudenciais por parte do candidato. A legislação específica é matéria comum a todos os cargos, de modo que fica a dica: decore os principais artigos de lei. Embora a FGV costume trazer alguns enunciados longos e cansativos, suas alternativas se prendem à letra da lei. Concentre seus estudos na legislação indicada no Edital. É o que denominamos de ‘estudo seco da lei’.

Ponto de corte: diferente da FCC, a FGV não costuma ter ponto de corte tão alto. Geralmente, os primeiros colocados fazem pontuação em torno dos 80%, no máximo 85% da prova. Este é um bom termômetro sobre o nível de dificuldade da prova, uma vez que certames como os realizados pela FCC possuem como nota dos primeiros colocados o índice em torno de 90% a 95% de acertos. Assim, o ponto de corte para ser aprovado e convocado não deve ser tão alto, o que demonstra que a FGV exige um conhecimento mais elaborado de suas questões. Para conhecer melhor esta banca, passe a responder questões somente de concursos realizados pela FGV.

Cargo de Técnico Judiciário: é o cargo com maior número de vagas. Certamente, será o cargo que mais nomeará. Estude o Edital com afinco e fique atento a cada matéria. Português, por exemplo, corresponde à terça parte da prova. A prova de português costuma cobrar interpretação de texto, em mais de 70% da matéria. Não esqueça de estudar tipologias textuais. Quanto à legislação específica, o conteúdo é pequeno, memorize os principais artigos das leis indicadas, em especial aqueles referentes ao funcionamento do Tribunal de Justiça da Bahia e seus servidores. Dentro de conhecimento específico não esqueça que serão cobradas apenas noções das matérias ali indicadas. Assim, evite aprofundar os assuntos e priorize ver o máximo de conteúdo possível, mas sem maiores aprofundamentos.

Analista Judiciário: este cargo exige formação jurídica e a dica principal é a de que os candidatos com formação em direito devem dar uma importância maior às matérias que compõem o conhecimento básico da prova, uma vez que totalizam mais da metade das questões da prova objetiva e todas as 70 questões têm o mesmo peso. Como já se tem o conhecimento jurídico para este cargo, a parte do Edital referente ao conhecimento específico deve ser mais revisada do que propriamente aprofundada. Estude o que você não sabe, não adianta querer fechar a prova de conhecimento específico e ir mal em conhecimentos gerais, não que o inverso seja verdadeiro, mas é que se parte do pressuposto que os seus concorrentes estão nivelados em conhecimentos jurídicos. Faça diferente! Quanto à prova discursiva, atente-se para o enunciado (repita-o nas primeiras linhas), mantendo sempre a correção gramatical e a coerência e coesão textuais.

Finalmente, a dica principal é responder provas da banca aqui analisada. É preciso saber o que será exigido de você. Como se trata de uma banca pouco popularizada, sai à frente o candidato que evitar surpresas no dia da prova. Assim, comece hoje mesmo a responder questões da FGV. Boa sorte e não se esqueça: a cada dia a fila anda…”

Leia também:
TJBA abre concurso com 200 vagas de níveis médio e superior
Confira dicas de como se preparar para concursos públicos
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

* Diego Pereira: advogado formado pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), pós-graduado em Direito Público e aprovado nos concursos para Procurador Federal, Procurador do Estado da Bahia, Advogado do BNDES e Analista do MPU. É professor de Direito Administrativo de curso para concurso.

Comments 26 Comments »

A busca pelo aprovação não é fácil. As dificuldades são comuns tanto para quem começou a se interessar agora pelo mundo dos concursos públicos quanto para aqueles que já estudam há mais tempo. Deste modo, é muito importante ouvir as valiosas dicas daqueles que já subiram alguns degraus e tiveram a felicidade de chegar ao topo. A convite do A Toda Prova, o advogado e professor Diego Pereira* preparou uma lista de itens que não podem ser esquecidos pelos concurseiros. Leia abaixo:

concurso

“Não é a primeira vez que você ouve falar que estudar para concurso público é participar de uma fila. Uma fila que anda. De repente, depois de certo período de estudo, a aprovação é inevitável. Eis que chega sua vez na fila. É necessário, entretanto, o candidato ficar atento ao seu comportamento durante a fila. Existe uma espécie de “cartilha” que nos ensina como se comportar nesta fila (nesses anos de batalha) até se chegar à aprovação. Foi assim comigo e certamente será com cada um de vocês, é questão de tempo.

Resolvi então, de modo breve, tratar de alguns pontos preciosos contidos na cartilha da aprovação. Vamos lá.

AUTOCONFIANÇA E PLANEJAMENTO: Se você estuda pra concurso então acredite neste seu projeto. Pense na vida melhor que você terá depois que sua posse ocorrer. Pense que cada hora de estudo lhe renderá bons frutos. Acredite que você tem capacidade de ser aprovado, que só depende de você. Para isso, planeje. Defina horários semanais de estudo, cumpra suas metas e saiba a hora de sentar e levantar, dando devidos intervalos (no máximo de 20 minutos) para respirar melhor, ir ao sanitário e lanchar. Esqueça celular e internet, eles certamente não lhe levarão à aprovação. Em outras palavras, ter planejamento é ter disciplina.

QUAIS CONCURSOS DEVO FAZER? Defina prioridades. Não dá pra atirar pra todos os lados, escolha uma área e foque nesta área do conhecimento. Se você tem afinidade com direito do trabalho, por exemplo, faça concurso de tribunal trabalhista. No entanto, além de técnico e analista do TRT, você deve fazer vários outros concursos, ainda que não caia direito do trabalho como disciplina. Vejo que um grande erro cometido pelos candidatos é o de não realizar provas. Não se pode comparar a realização de uma prova com a sua simples resolução no conforto de sua casa. Teste suas habilidades. Teste o trânsito da cidade, seu tempo de prova, o preenchimento do gabarito. Se quero fazer a prova de técnico do INSS por que não me inscrever também para técnico do Tribunal de Justiça?

TRABALHO E ESTUDO: Observo no meu dia-a-dia que a maioria das pessoas que estão passando em concurso são pessoas que também trabalham. Essas pessoas conseguem aplicar o primeiro item (autoconfiança e planejamento) tão bem que a falta de tempo não é empecilho ao cumprimento de suas metas. Comigo foi assim: sempre trabalhei, desde a faculdade, mas planejava estudar quatro horas diárias. Estipule uma quantidade diária de estudo e siga seu planejamento. No sábado ou domingo, dobre essa jornada de estudo. Também não deixe de se divertir, por que isso só lhe trará benefícios. Além do trabalho e do estudo pratique alguma atividade física, de preferência caminhe/corra. O resultado é imediato. Experimente!

ANSIEDADE. É NORMAL? Quem nunca teve uma insônia em véspera de prova? Sempre achamos que não vai dar tempo cumprir o edital, que não chegaremos à última etapa do certame ou que nossos concorrentes são mais bem preparados. São sensações normais, desde que não interfira no seu bom desempenho. Vivemos, diariamente, a expectativa de uma aprovação. E com ela, surge um turbilhão de pensamentos, além da cobrança de amigos para sair, dos vizinhos pela pergunta inconveniente (“já passou? Quero lhe ver aprovado”), a família que já não aguenta mais pagar suas contas. Sua paquera que não lhe vê há tanto tempo. Tudo isso é normal. Se você perceber que tem alguma coisa desequilibrada, se, por exemplo, a insônia está lhe atrapalhando, procure ajuda. Vá ao médico, diminua o ritmo, pratique esportes. Esteja bem. Sua cabeça precisa estar bem.

Também não estou aqui pedindo pra você seguir a cartilha ao pé da letra, mas, certamente, as pessoas que a segue veem a aprovação vir mais rápido. Tenha muita fé e muito trabalho porque seu lugar, na fila, mudará a cada dia, cada vez mais próximo à aprovação. Em breve, em outro post, trataremos dos métodos de estudo”.

*Diego Pereira: advogado formado pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), pós-graduado em Direito Público e aprovado nos concursos para Procurador Federal, Procurador do Estado da Bahia, Advogado do BNDES e Analista do MPU. É professor de Direito Administrativo de curso para concurso.

Leia também:
Saiba como a alimentação ajuda na preparação para concursos

Comments 11 Comments »

A alimentação deve ser uma aliada nos estudos para concursos. Há alimentos capazes de melhorar a memória e manter o cérebro mais ativo. A convite do A Toda Prova, a nutricionista Ramona Baqueiro Boulhosa* esclareceu algumas dúvidas comuns de concurseiros sobre o assunto. Confira abaixo:

frutas

1. A alimentação pode interferir no ritmo de estudo?
Claro! O combustível do cérebro é a glicose, adquirida pela alimentação. Assim, manter um nível de glicose sanguínea adequada é fundamental para assimilação dos conteúdos estudados. Por isso, realizar 5 a 6 refeições por dia (desjejum, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia) é fundamental para manter esse equilíbrio. Além disso, evitar o consumo de alimentos “pesados” pois estes causam desconforto e sono, reduzindo a disposição para os estudos.

2. Há alimentos capazes de potencializar o rendimento dos estudos?
Sim. Alimentos ricos em Ômega-3, como os peixes (salmão, sardinha, atum), nozes e linhaça são importantes aliados na hora dos estudos. O Ômega-3 ativa a memória, auxilia nos processos cognitivos e favorece a transmissão dos impulsos nervosos. Além disso, esse ácido graxo é um potente antioxidante, minimizando os efeitos dos radicais livres gerados pelo estresse neste período.

O ferro também é um nutriente importante pois auxilia na oxigenação dos tecidos, incluindo o cérebro. Por isso, é fundamental o consumo adequado deste mineral, encontrado nos feijões, beterraba, açaí, folhas verdes escuras e nas carnes vermelhas. Outros alimentos de interesse são: morango, que estimula os mecanismos cerebrais de armazenar memória de longo prazo; ervilha, pão integral, batata, oleaginosas (castanhas, amêndoas, amendoim), ricos em tiamina, vitamina essencial para formação de neurotransmissores.

3. Qual a alimentação adequada para o dia de prova? Há alguma diferença se a prova for pela manhã ou à tarde?
De uma forma geral, a alimentação pré-concurso deve ser leve, sem grande quantidade de gordura e incluindo carboidratos integrais, vegetais e proteínas magras. Assim, se a prova for pela manhã, sucos de fruta, pão integral, queijo branco ou ricota são boas opções. Para aqueles que não costumam comer pela manhã, um aviso importante: após uma noite de sono, nossas reservas de glicose estão exauridas; como a glicose é a principal fonte de energia do cérebro, permanecer em jejum pode comprometer o desempenho durante a prova. Assim, é especialmente importante a realização do desjejum neste dia.

Caso a prova seja à tarde, um almoço leve, constituído de peixe ou frango grelhado, salada a vontade (sem molhos), arroz ou macarrão integral e fruta ou suco de fruta são recomendados. Alimentos muito condimentados , ricos em enxofre (feijão, repolho, ovo cozido) e a farinha podem trazer desconforto durante a prova e, por isso, devem ser evitados.

Independente do horário do concurso, todo candidato deve alimentar-se e beber água durante a prova. É recomendado o consumo de alimentos fonte de carboidrato, como barras de cereais e frutas. As guloseimas como biscoitos e balas devem ser evitadas por poderem causar hipoglicemia de rebote (ver resposta 6).

4. E na véspera da prova? O que deve ser consumido?
Na véspera da prova, deve-se privilegiar um cardápio leve, com 5 a 6 refeições por dia. Devem ser incluídas frutas e verduras, cereais integrais como arroz integral, aveia, granola, raízes e tubérculos (banana da terra, batata doce, aipim, inhame), laticínios desnatados ou semidesnatados, carnes brancas (peixes ou aves) grelhadas ou assadas e muita água, para manter a hidratação adequada.

Para aqueles indivíduos que, nos momentos de nervosismo tendem a apresentar ritmo intestinal acelerado (a chamada “dor de barriga emocional”), sugere-se que no dia anterior a prova prefira alimentos com capacidade obstipante, como banana, goiaba, maçã sem casca.

Alimentos “pesados”, ricos em gordura, por demoram muito tempo para serem digeridos, devem ser evitados na véspera da prova. O consumo destas preparações pode levar o candidato a sentir desconforto gastrointestinal no dia da prova, prejudicando seu desempenho.Devem ser evitados ainda alimentos comercializados nas ruas, de procedência duvidosa. Esses alimentos podem ser veículo de bactérias e vírus, causando infecções e toxifecções intestinais, com vômitos, febre e diarreia. As bebidas alcoólicas alteram a taxa de glicose no sangue e podem causar mal estar no dia seguinte e, por isso, seu consumo não é recomendados nas 24 horas que antecedem o concurso.

5. Durante a prova, algumas pessoas costumam comer um chocolate para diminuir a ansiedade, isto é correto? O que deve ser consumido durante a prova?
O chocolate tem propriedade ansiolítica pois seu consumo eleva a produção de serotonina, substância relacionada a sensação de relaxamento. Além disso, o chocolate é rico em carboidrato, fornecendo energia no momento da prova. Contudo, se consumido em grandes quantidades, o açúcar contido neste alimento pode levar a hiperglicemia, seguida de uma hipoglicemia de rebote. Assim, o candidato pode ter vertigem, taquicardia e até desmaios, prejudicando o desempenho no concurso. Sugere-se, portanto o consumo, em quantidades moderadas, do chocolate com 70% de cacau, que, além de ter menor quantidade de açúcar, possui propriedade ansiolítica mais potente.

6. O que você acha do uso de energéticos e estimulantes como café?
Embora essas bebidas aparentemente deem energia, esse efeito é passageiro, gerando um efeito rebote de cansaço e sonolência. Adicionalmente, essa “energia” não é seguida necessariamente de concentração. Ao contrário, esses alimentos aumentam ainda mais a ansiedade. Além disso, para aqueles indivíduos que tem refluxo e gastrite, incluindo gastrite nervosa, o café e bebidas energéticas podem precipitar ou agravar a sintomatologia de dor e desconforto. Assim, eu desaconselho o consumo destas bebidas, especialmente nas 24 horas que antecedem a prova.

7. Há alguma outra dica que você gostaria de dar para os concurseiros.
Reforço a necessidade de alimentar-se de forma leve, como sugerido acima, e levar lanche saudável e água para reabastecer o organismo durante a prova. Ademais, manter a calma, a concentração na prova e atenção ao tempo. Afinal, o bom resultado responde a todo o processo de dedicação e estudo prévio.

* Ramona Baqueiro Boulhosa é nutricionista graduada pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) e mestre em Medicina e Saúde (Ufba), docente do curso de graduação em Nutrição do Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge) e nutricionista clínica da Cardio Vascular Center.

Comments 4 Comments »


Warning: readfile(../ga.txt): failed to open stream: No such file or directory in /home/correiodb/correio24horas.com.br/blogs/a-toda-prova/wp-content/themes/mandigo/footer.php on line 356